, ,

Chuchu, Abobrinha e Política.

Eu estou aqui, de frente pra tela, decidindo se banco esse assunto ou falo de algo mais ameno. Fico receosa. Rumino prós e contras e avalio se estou disposta. Afinal, estamos todos esgotados da polarização política e me questiono se falar disso é chover no molhado.

Mas ok, decido! Vou bancar esse assunto, mesmo sabendo que talvez alguém venha me encher o saco falando que eu disse algo que não disse! Respiro profundo. Me concentro. Falarei de flexibilidade psicológica, ou da falta dela, no nosso contexto pós eleitoral.

Primeiramente, devo ressaltar que estamos diante de um fenômeno complexo, com múltiplas variáveis. E embora eu goste do assunto e acumule algumas leituras sobre o tema, não sou analista política de formação para teorizar sobre o que estamos vivendo, ao menos não por este viés. Vou me ater então ao viés psicológico e relacional. Devo também dizer que não é sobre candidatos, nem partidos, nem quem ganhou, nem quem perdeu, nem sobre a importância de se posicionar ou sobre direito de se abster, nem sobre convencer ninguém a nada. O resultado já está dado.

Aviso: Se você é do time que acredita que houve fraude, talvez este não te seja um texto tão útil. Ou será que sim? Seria a inflexibilidade psicológica a vilã que te faz crer na hipótese de fraude, como se não fosse possível tanta gente assim divergir de você?

(Ops! Joguei a questão aqui e sai correndo antes que você me xingue…)


Pois bem, vou falar de mim: noto um estranho desconforto instaurado na minha mente no período eleitoral e pós eleitoral. Afinal, descobri que praticamente metade do país pensa diferente de mim e enxerga a realidade de uma forma muito diferente da minha. E você, que talvez tenha votado no candidato antagônico, descobriu exatamente a mesma coisa. Todos “descobrimos” que o lado oposto tem muita gente. Tanto quem ganhou, como quem perdeu. É muita gente! E isso gerou certa perplexidade. Porque será?

Porque tendemos a nos cercar de quem pensa igual e a viver na nossa bolha? Sim. Porque tendemos a ler, a ouvir, a nos abastecer exclusivamente do que se alinha ao que previamente acreditamos? Aham. Porque acreditamos saber e conhecer muito mais do que de fato sabemos sobre temas complexos? Sim também. Pura tendência humana, natural, nada de muito revelador nisso. (OBS.: Tem videos legais sobre esses assuntos aqui: Sobre neurociência e Fake News e Sobre o efeito Dunning-Kruger).

Dentro desse cenário todo, vejo nos feeds xingamentos mil, nas redes sociais posts com frases absolutamente julgadoras e muitas, mas muitaaaas, críticas reducionistas e extremamente rasas. De um lado “como pode alguém votar em chuchu?”, e de outro “como pode alguém votar em abobrinha?”. Veja bem, eu tenho motivos. Você tem motivos. E talvez tenhamos votado em lados opostos.

É difícil compreender os motivos de quem votou em quem considero inaceitável. Mas eles existem, os motivos existem. E eles são baseados em valores de vida, que podem ser completamente diferentes dos meus e ainda assim serem válidos. E em medos que podem ser completamente diferentes dos meus e de algum modo também válidos. Eu repito isso pra mim mesma, de um jeito indigesto, mas muito comprometida em enxergar além do discurso genérico.

Meus amorzinhos, me desculpem, mas não consigo crer que metade do país vota em alguém PORQUE concorda com roubo e só quer comer picanha. Eu não consigo crer que metade do país vota em alguém PORQUE concorda com facismo e nazismo. Existem outras coisas presentes nas escolhas das pessoas, nas escolhas de uma outra metade da população que votou diferente de mim. E as variáveis não são tão simplistas.

Acho que esse texto é sobre exercitar a flexibilidade psicológica.

É sobre assimilar que não existe apenas uma forma de ver o mundo, nem apenas uma forma de pensar soluções para os nossos problemas coletivos e portanto políticos. E quem vota no oposto, vê o mundo com outra ótica. E para esta outra ótica (falo exclusivamente das pessoas do meu entorno e não dos candidatos), escolho intencionalmente assumir o princípio da caridade, que na filosofia significa atribuir às falas de alguém a melhor interpretação possível (dá um Google porque essa estratégia de retórica é massa!)

Eu quero levantar algumas perguntas aqui pra te tirar da vala comum, aquela de acreditar em frase reducionista que explica a complexidade dessas eleições num storie. Pode ser?

Pensa em quem votou na pessoa que você considera a pior opção. Pensou?

Vamos chamar sua pior opção de “Chuchu”.
Respira fundo e te faz essas perguntas com o máximo de honestidade:


– É possivel que essa pessoa tenha, na própria história de vida, na sua criação, na sua visão de mundo, um motivo justo e plausível para votar no Chuchu? Sem julgamentos, abre a caixola, pensa aí… é algo possível? Sim ou não?


– É possível que essa pessoa tenha sido também vítima de informação falsa que a levou a escolher o Chuchu? Isso é algo possível? Sim ou não?

– É possivel que essa pessoa não tenha votado em Chuchu por causa do Chuchu em si, mas talvez por ter medo ou por detestar profundamente a Abobrinha? É algo possível? Que embora a lasanha de abobrinha que você comeu estivesse boa, a lasanha de abobrinha da outra pessoa a fez passar mal? E agora ela prefere creme de chuchu, suco de chuchu, chuchu cru, chuchu frito, assado, mas não abobrinha? Pode? É possível isso aí? Que a experiência da outra pessoa com abobrinha seja oposta a sua?

– É possível que embora você esteja certo de que Abobrinha faz bem para o SEU intestino, o Chuchu possa fazer bem para o intestino alheio? E que não, apesar de toda a sua sabedoria, você não necessariamente sabe totalmente, plenamente, completamente o que é melhor para a digestão de TODOS os outros intestinos do país inteiro? É algo possível?

– É possível ainda que para algumas pessoas Abobrinha e Chuchu sejam igualmente indigestos e a pessoa escolha não ingerir nenhum dos dois? Pra mim abobrinha e chuchu não são iguais, mas eu posso reconhecer que para outro intestino sejam percebidas como muito semelhantes? Tipo, como sendo legumes do mesmo saco? É algo possível?

Talvez você me responda algo como “mas Sara, a escolha não era chuchu ou abobrinha, era abobrinha ou cocô!”. Te respondo pensando no princípio de caridade, fazendo a melhor interpretação possível. E te pergunto: o que pode ter acontecido para que alguém supostamente prefira cocô? E se eu fosse levada a crer que cocô seco é um tratamento capaz de me salvar de uma doença (tem quem acredite que beber xixi faz bem! 👀). E se eu fosse levada a crer que abobrinha é venenosa e poderá me matar em quatro anos se eu a ingerir?

Tá pegando o raciocínio? Você consegue exercitar sua compreensão humana para além dos julgamentos rasos e das frases de efeito nas redes? Por aqui (e talvez pelo exercício da minha profissão, que me obriga a fazer isto diariariamente) tenho tentado. Uma das formas possíveis de exercitar uma mente flexível é observando um fenômeno por diferentes perspectivas. Procuro entender motivos, contextos, valores de vida, aprendizagens, medos e lugares sociais. Tento olhar de outros ângulos. Isso me ajuda a julgar menos. Eu sigo discordando, mas eu julgo menos e até consigo conversar, sacam?

Te convido a exercitar a flexibilidade psicológica, ampliar a tomada de perspectivas, para lidar com nosso contexto político, que desperta tantas emoções aversivas e desagradáveis. Principalmente no que diz respeito as suas relações de afeto. Lembre: esta pessoa é mais do que o voto no chuchu ou na abobrinha. Ela é mais complexa e é fruto de um contexto. Não ignore isto. E não condene ou menospreze alguém exclusivamente por isto. Lembre que seu voto na abobrinha também é fruto de um contexto, de uma história, de um lugar social e do seu acesso maior ou menor a informações confiáveis e de qualidade… ou você acha que não recebeu influência nenhuma de nada alecrim dourado que nasceu no campo sem ser semeado? Hahaha….

Você pode respeitosamente se manter leal ao que acredita. Ok. Pode reduzir um pouco a convivência com pessoas que lhe geram muitooo desconforto por posições politicas divergentes da sua no momento. Ok. Mas o que não pode é pressupor que todos deveriam votar na abobrinha como você. Também não pode ofender o pessoal que tem seus motivos (que podem ser válidos nos seus contextos) para votar no Chuchu.


Então tá, seja com chuchu ou com abobrinha, há de se ingerir um prato de flexibilidade psicológica no almoço e outro na janta pra conseguir conviver civilizadamente com as nossas enormes divergências. Confesso que estou me esforçando. É o que tem pra hoje! Seguimos!

#PensoLogoEscrevo #VidaDeTerapeuta #Eleições #FlexibilidadePsicologica #SintoLogoExisto

Gostou do post? Compartilhe nas suas redes!

Posts relacionados

Na vida real o equilíbrio contém o exercício de lidar com o que desorganiza, tira o prumo, com o que nos cansa. A vida não é uma linha reta!

Não é uma linha reta.

Na vida real o equilíbrio contém o exercício de lidar com o que desorganiza, tira o prumo, com o que nos cansa. A vida não é uma linha reta!

Leia Mais

À la Zeca Pagodinho.

A ideia aqui não é que passemos a julgar a nós mesmos, ou nos cobrarmos de forma pouco gentil. O exercício visa nos ajudar a perceber em quais momentos ficamos mais satisfeitos com o que vivenciamos, mesmo que não tenha sido tudo perfeito.

Leia Mais

Eu quis voltar pra um lugar “seguro”, mas eu já não cabia mais ali.

Imagina você ter que anotar absolutamente todas as coisas que você quer muito adquirir, porquê vai que você se desvia e se esquece de que quer aquilo. E aí as vezes você já é outra pessoa, já nem quer mais, mas fica preso àquele objetivo traçado inicialmente, não se permitindo desapegar e dar espaço para os desejos e interesses fluírem naturalmente.

Leia Mais

PRECISO ME ORGANIZAR.

Estava no carro, indo para o consultório, quando notei o tom da minha voz interna. Ela dizia, em caráter de constatação e também com gentileza “eu preciso me organizar”. Quando percebi essa voz amigável, me informando algo que eu já sabia, sem cobranças e julgamentos, enchi os olhos dágua. Que bom que estou me tratando bem, pensei. Essa voz já usou tons bem mais críticos e hostis em outros tempos.

Leia Mais

Tututi.

Crescer exige que aprendamos a lidar com o que permanece, para então, darmos novos caminhos e construirmos novas relações com essas partes de nossa vida.

Leia Mais

Hoje não quis escrever pro Blog.

Eu não estou inspirada para escrever esta semana. Minha mente está focada em outras coisas, algumas bemmm legais, outras nem tanto, mas todas coisas que envolvem minha atenção. As ideias que tenho para um texto não passam de duas linhas, os assuntos não avançam, mas…

Leia Mais

O que o tempo cura.

O tempo não tem qualquer obrigação em dar conta da nossa vida. Cabe a nós a compreensão e a decisão acerca do que iremos fazer, no tempo que temos, para construir a história que dá sentido aos nossos dias.

Leia Mais

Carta pra mim, criança.

Você passou por muita coisa e descobriu muito sobre si para poder, com os limões que a vida te deu, fazer uma limonada. Consigo cavoucar e notar os traços de personalidade que ainda vivem por aqui, como a curiosidade, a tagarelice, a energia. Também aquilo que nos coloca em algumas roubadas, como o medo de desagradar e a autocobrança pra não errar nunca. Spoiler: muito sofreremos até descobrir que é impossível.

Leia Mais

Entre querer mais e estar satisfeito.

As vezes temos esses momentos, frações de epifania em que a alegria nos abraça e nos sentimos gratos e satisfeitos com os rumos da própria vida. Ao mesmo tempo, nosso contexto social por vezes nos arrasta para uma corrida contra o tempo, uma ideia de que se pode ter mais, ser mais, fazer mais. De repente nos vemos no lado oposto, atravessadas por uma sensação de insatisfação generalizada.

Leia Mais

Quando eu quis viver

A vida é muito dura, em muitos momentos e de muitas formas. E à medida que conseguimos aprender a acolher essas dores e dar a elas um lugar adequado em nossa história, vamos descobrindo que conseguimos sobreviver a elas.

Leia Mais

A vida vai te encurralar.

Todos os caminhos levam a Roma. Volto sempre pra esse ponto de me questionar: “Por que isso está acontecendo? Como eu poderia ter evitado isso?” Ah claro, eu deveria ter falado sobre como me sentia ou ter deixado mais claro o que era importante para mim. Me deparo com aquela sensação entalada daquilo que não foi dito ou foi maquiado. Com um sentimento de estar a deriva, constantemente refém das escolhas e atitudes alheias.

Leia Mais

Tá tudo estranho hoje.

Acho que é culpa do piloto automático, do fantasma da correria que não deixa a gente viver a vida com presença, nos faz baixar a guarda. Parece que a gente anda pra trás. Hoje senti orgulho de mim por comunicar à recepcionista da clínica veterinária que o filtro de água precisava ser limpo. Na minha mente, dizer isso deixaria eles envergonhados por terem deixado o filtro sujo e me faz sentir mal de dizer, mas eu sei que isso é um pensamento, e não a realidade, e ainda que fosse, o filtro está sujo, precisa ser limpo e avisar era algo bom a ser feito.

Leia Mais

Insolúvel

Em muitos momentos da vida lidamos com questões que não cabem em nossas mãos. É como segurar uma porção de areia em um dia ventoso. Por mais firmes que sejam as mãos, elas não poderão impedir o vento de soprar.

Leia Mais

Somos todos influenciáveis.

Como que do nada eu tava quase pegando o dinheiro que era para outro fim e botando num resort aleatório?! O fato é que todos somos influenciáveis. Faz parte da especie humana. Somos seres sociais e uma parte significativa do nosso comportamento é resultado do nosso contexto. Isso significa que, ao contrário do que gostaria, você não consegue ignorar totalmente as influências que recebe.

Leia Mais

Não existe hack de produtividade que dê conta de uma sobrecarga.

Eu estava esquecendo de um detalhe quase nada importante. A quantidade de demandas que eu estava abraçando. E que eu sou um ser humano, não um robô. 😅 Eu estava comparando momentos de vida completamente diferentes, e esperando a produtividade que eu tinha quando eu tinha apenas 1/4 da quantidade de responsabilidades que tenho hoje. Eu quero entregar minhas fotos em 1 semana, mas eu fazia isso quando eu tinha 1 trabalho a cada duas, hoje, eu fotografo diversas vezes semanalmente. Óbvio que essa conta não fecha.

Leia Mais

“Quem vê close, não vê corre.”

Essa semana vimos muitos “closes” de casal, de puro romance e fofura no Dia dos Namorados. Esses momentos são bem legais! Mas a verdade minha gente, é que um bom relacionamento não é bom e leve o tempo todo. A ideia é que seja assim na maior parte dos dias, mas não será em 100% dos dias. Uma relação saudável exige muita abertura, investimento de tempo e de energia.

Leia Mais

Ninguém senta em duas cadeiras.

A gente vive numa constante busca de equilibrar os pratos da vida né? E a gente costuma pensar que equilíbrio é conseguir segurar vários pratinhos de uma vez. Ou sentar em duas cadeiras ao mesmo tempo. Mas olha, com base em minha vivência das últimas semanas eu te digo, o maior desafio não é equilibrar, esse é o nosso maior sonho, essa seria a escolha fácil, a de conseguir abraçar o mundo. O difícil está em de fato fazer uma escolha, em priorizar. E abdicar do outro lado. Deixar uns pratos caírem e aceitar as consequências disso.

Leia Mais

Palavras

Nós corremos um grande risco de sermos guiados por certas “sentenças”, frases ditas em momentos marcantes de nossa história, que podem assumir uma posição norteadora em nossas escolhas. É como se elas estivessem dirigindo nossa vida enquanto permanecemos na carona. Elas podem nos levar para lugares muito diferentes daqueles que gostaríamos de ir.

Leia Mais

Ninguém teve a melhor mãe do mundo!

Acho injusta a carga que socialmente colocamos sobre as mães. É quase como se tivessem de ser sobre-humanas. Eu entendo o quão difícil deve ser lidar com esse papel materno. E eu não preciso ser mãe pra entender isto, você também não deveria precisar. É só olhar pra elas, olhar para o que elas fazem, é só ouvir com um pingo de atenção, que logo a gente capta o grau de complexidade da função.

Leia Mais

ALGUÉM INTERDITA O ZAPZAP!

O triunfo do ZAP é uma realidade, então, temos que nos adaptar a ela. Isso é fato. Mas é justamente pra essa adaptação que coloco o meu holofote. Mil manobras e estratégias pra conviver com ele de uma forma minimamente saudável, mas a que custo? Estamos drenando a nossa saúde mental pra conseguir ter mais saúde mental.

Leia Mais

Desculpas

O ponto é: nós conseguimos ter conosco o mesmo nível de compaixão, compreensão e aceitação que temos com outras pessoas? A gente consegue se perdoar e acolher quando erra ou falha em algo, tendo uma postura de gentileza, tal como fazemos com os outros? (Se é que fazemos isso né?!)… Ou a cobrança fica sozinha?

Leia Mais

A comparação é uma visita sem noção!

Ela é o tipo de visita inconveniente, daquelas que te atrapalha a rotina porque aparece sem aviso e ainda fica mais tempo do que você gostaria. Te faz parar tudo o que está fazendo para dar atenção a ela e depois puxa uns assuntos sem lógica, ela bota defeito em tudo que você conquista ou faz, baseada em parâmetros aleatórios… A Dona Comparação é uma péssima visita!

Leia Mais

Não é sobre você

A pessoa com a qual você vive, trabalha, conversa, interage, pode estar vivendo um momento diferente do seu, e esse momento é sobre ela e sua história, não sobre você! Isso não quer dizer que ela não se importe, ou que você tenha deixado de ser relevante de alguma forma.

Leia Mais

ELAS CONSEGUIRAM!

Oito de Março. Um dia que me gera uma porção de sensações, tantas que acho até difícil de organizar em palavras. Nenhuma delas me é uma sensação desconhecida, volta e

Leia Mais

O inesperado

Algumas situações que parecem ser apenas um fim podem ser também um novo cenário, uma oportunidade para crescermos de um jeito diferente, um tempo de aprender algo inesperado sobre a vida.

Leia Mais

A autoconfiança é superestimada.

É altamente provável que você já tenha desejado se sentir mais autoconfiante. Aquela insegurança quanto as suas  habilidades intelectuais, ou a sua aparência física, já deve ter te atrapalhado em algumas situações. E nessas ocasiões você desejou profundamente aquela dose de autoconfiança capaz de fazer com que você agisse em total plenitude, sem titubear….

Leia Mais

O importante é voltar.

O perfeccionismo nos impede de simplesmente continuar fazendo algo, ainda que esse feito não seja da maneira idealizada e esquecemos que, quando a gente se propõe a fazer algo novo, o que se espera é que sejamos um “bebê” nisso e o mais óbvio é que não saibamos como fazer com maestria. (Achei ótimo mudar a ideia de fracasso pra ideia de bebê, a propósito).

Leia Mais

A edição da vida

O que você prefere: perder seu emprego, o casamento ou a saúde? Note que, nas opções que dei, provavelmente (pelo menos eu imagino) você não encontraria uma alternativa que satisfizesse você totalmente, porque abrir mão de algo importante para nós não é algo desejado.

Leia Mais

E fora dos stories, tá como?

A comida é bonita.A paisagem é perfeita.Todo mundo se ama, se adora, se entende. Auto estima alta tem de sobra.E todos, obviamente, estão se divertindo.É janeiro, é verão por aqui.

Leia Mais

Duas notícias para esse ano

Não pretendo ser muito exaustivo por aqui! Estou cansado e de férias, e imagino que você queira ler algo breve e útil para esse tempo, então lá vai!

Tenho duas notícias para compartilhar contigo sobre o ano que virá: uma boa e uma ruim! Qual você quer receber primeiro?

Leia Mais

Hora do chá.

Crescer num lar aparentemente e socialmente perfeito, onde a formação é a mais tradicional possível (um homem, uma mulher, dois filhos — sendo estes um menino e uma menina), numa casa grande, onde não falta comida e te proporciona o melhor estudo, faz parecer que o problema está em outro lugar, sabe? Dificulta um pouco essa aceitação de que um ambiente assim pode gerar um grande chá de m*rda.

Leia Mais

Controle

O controle se torna um problema. A forma como lidamos com o que acontece está ao nosso alcance, “controle”, decisão… Mas nós nunca conseguimos controlar tudo que acontece em nossa vida.

Leia Mais

Todo mundo já foi criança e carrega ela dentro de si.

Fazer o exercício de olhar pra infância e resgatar algumas memórias afetivas podem nos ajudar a ressignificar um pouco do que já vivemos e trazer de volta essa energia para nossa vida. Como você brincava? Qual comida te deixava muito feliz? Que local ou passeio te empolgava? Esse pode ser um bom começo.

Leia Mais

Um dia

Ver quem amamos em sofrimento, é talvez uma das experiências mais dolorosas do amadurecimento. A ideia de que teremos poder para resolver e proteger nossos queridos de qualquer coisa que aconteça dá lugar à consciência de que não poderemos impedir que essas pessoas sofram com a vida, na vida.

Leia Mais

Criança (não) tem querer!

Vou começar do começo: crianças são pessoas. Pode parecer estranhamente óbvio reafirmar, mas boa parte das vezes esquecemos das implicações disto. Elas são pessoas! Não pessoas adultas, com todos os

Leia Mais

Ainda bem que eu segui as batidas aceleradas do meu coração.

Aquilo que eu não queria aceitar estava cada vez mais materializado na minha frente, não me dando escolha de olhar para o lado. A sensação de que eu estava me encaminhando para buscar ajuda psiquiátrica era apavorante. Me descobri cheia de preconceitos, relutante para dar esse passo. O que isso diz de mim? Que falhei? Perdi? Estou traindo à minha psicóloga? Tive medo de falar com ela antes de contatar o psiquiatra. Será que não aguento mais um pouco assim? E viver “aguentando” já diz tanto.

Leia Mais

Sobre saber sentir

Pergunte aos homens que você conhece o que os deixa tristes, ansiosos, com medo, e observe suas respostas, sensações, expressões…

Leia Mais

“POR QUERER”

Consegue ouvir ao seu redor algo como “a fulana é muito cheia das vontades”, dito naquele tom de desaprovação?
Parece que querer e assumir o que se quer é quase… algo feio!

Leia Mais

SENSUAL: QUEM É VOCÊ?

Um passo muito importante foi entender que essa sensualidade estereotipada não ia fazer parte de mim nem que eu quisesse muito…

Leia Mais

O que é ser autêntico?

O que é autenticidade pra ti? Fiquei curiosa pra entender o que significa ser autêntico pra ti e se tu sente que é autêntico na tua vida.

Leia Mais

Eu não tenho estilo

A conversa de hoje é pra quem já ouviu ou já disse ou já pensou o seguinte: – “Eu não tenho estilo” Ok. Senta que lá vem a história: Era…

Leia Mais

TOP 03 posts 2021

Confira agora o TOP 03 posts de 2021 do blog. A escolha foi o número de visualizações até 31/12/21, só isso, não é critério de “melhor”…

Leia Mais

Tudo culpa do útero. Será?

Uma cirurgia feita há um ano pode ter ajudado a desencadear a dor na ATM que levei mais de 01 mês tratando? Sim. Mas como? Nem te conto…

Leia Mais

A AMIGA DOS CARAS

Carreguei esse título durante a minha adolescência com muito orgulho. Só faltava escrever na testa. Eu não era como as outras. Sentiu,né?Sentaquelávempedrada. Na infância, me recordo de brincar com todo

Leia Mais

Sobre passar vergonha

Vou narrar uma experiência do meu tempo de estágio. Era setembro de 2009, estava na finaleira da graduação em Psicologia. Cursando 6 disciplinas, fazendo um estágio de 20 horas semanais,

Leia Mais

SOMOS IN(CON)STANTES

Olá inconstância. É sempre mais fácil lidar com você quando não está por aqui. Será que em algum momento você não está por aqui? O engraçado (ou triste) é: só

Leia Mais

Quanto custa sua autenticidade?

Alerta de gatilho 1: esse texto pode fazer você parar tudo o que está fazendo agora e procurar a resposta a essa pergunta na sua própria vida. Alerta de gatilho

Leia Mais

Quanto pesa um NÃO?

Você tem facilidade pra dizer não? E quando diz, sente necessidade de dar mil satisfações? Negar um pedido (e impor limites) sempre foi uma questão para mim (nível de tratar

Leia Mais

A SURPRESA NÃO SE SUSTENTA

Você já viveu o suficiente para saber que a empolgação do ano novo acaba depois do brinde. Que o procedimento estético aquele que você tanto queria passa despercebido em poucos

Leia Mais

Maternidade real/oficial

A Day e eu nos conhecemos quando ela iniciou seu processo de Consultoria de Estilo e desde o início eu sabia que ia ser especial. Como eu sabia? Bem, pra

Leia Mais

“Você precisa ser mais feminina!”

Ouvi isso tantas vezes durante a infância e adolescência que cheguei até a acreditar. Sempre gostei de usar roupas mais largas (adorava roubar algumas do meu irmão), era zero vaidosa

Leia Mais

A Mulher do Futuro: ETARISMO

Medo de envelhecer… quem nunca? Numa sociedade que naturalmente privilegia a idade jovem, a beleza jovem, a força de trabalho jovem, tudo jovem… é comum que temamos o momento em

Leia Mais

A Mulher do Futuro: DIREITO

A mulher sempre foi atuante nas principais transformações da sociedade. Uma visita rápida aos livros de história – ou mesmo ao Dr. Google – são suficientes para confirmar isso. Fato

Leia Mais

Quem escreve por aqui

Não importa se somos fotógrafos, consultores de estilo, psicólogos ou donas/os de casa. No blog, frequentemente a gente escreve sobre o que está por trás desses (e outros!) rótulos, ou seja, a própria VIDA em curso. Navegue e encontre textos inspiradores sob diferentes pontos de vista!

Amanda Baronio
Dallen Fragoso
Sara Adais
Jonas Filho
Explore

Receba minha newsletter

São 02 por mês com insights e achados preciosos sobre estilo e autenticidade.
Vou amar me conectar contigo por lá!

Copyright © 2024 | Rua Gomes Jardim, 428 - Centro - Novo Hamburgo - RS | CNPJ: 40.622.935/0001-24