, ,

ENTÃO É NATAL, E (o que você fez) EU FIZ O QUE DEU.

Eu entro na loja e tá tocando essa música, com essa frase.
E eu penso: “nossa, recém entrei, que cobrança é essa produção?” Hahahaha… Eu ri internamente.


Vou escrever um textinho rapidão por motivos de fim de ano, ou seja, a tal “correria”. E vou abandonar a beleza da escrita e jogar as frases como se tivesse falando com vocês no elevador do prédio… ok?

Cês já sabem que a gente fez uma organização social do tempo, e todo mundo combinou de meio que ajeitar pra fechar ciclos dentro de um período que a gente chama de ano. É importante a gente ter organizado socialmente isso aí, organizar é um negócio bacana, vocês não acham? Organização é uma palavra boa, né? Pois é, também acho. 🤗

O problema é que a vida às vezes não colabora. Ela joga umas coisas no meio. Cês já perceberam? E a gente acaba por ter que reorganizar prioridades. Tarefas que não existiam passam a ser mais uma responsabilidade sua e outras apenas deixam de ser.

Tipo assim, deu um problema na caixa d’água no meu prédio, uma rachadura, e a gente descobriu porque apareceu um mofo no teto do meu quarto. Acredita? Aí do nada, “que que é isso?”. Chama o moço, ele sobe pra ver, e pá, tinha um vazamento gigante. O plano era outro, mas agora, em um dia, já tinha até goteira, e mofo, e coisas que do nada apareceram e precisavam ser resolvidas. Às vezes vira caos. E caos é um negócio chato, não acham?

Caos não é uma palavra boa, né? Ou às vezes até é… pode ser. Eu não sei se eu gosto muito dessa palavra. Mas ela tá aí, no dicionário da vida. Descobri que (se não tivesse descoberto logo) podia ter rompido a caixa em cima do meu teto. Loucura. Todo um rolê do condomínio, mas tá resolvido. Se atrapalhou a coisa da organização da semana? Total! Literalmente o caos. Mais um, de vários, nesse recorte de tempo que chamamos de ano.

E ESSE ANO TEVE UM MONTE DE CAOS, né meu povo?! Eu nem preciso citar, vocês sabem do que eu tô falando.

Até o doguinho aí cansou desse tanto de acontecimentos caóticos esse ano!

Chegamos até dezembro. E a gente fez o que deu pra fazer. Não tô falando de fazer de qualquer jeito, de minha parte houve esmero. Me dediquei a objetivos importantes, defendi coisas que acredito, me aproximei de gente querida, adquiri coisas que eu desejava. E não consegui realizar outras coisas que eu queria também.

Eu tô falando de considerar quando cabe apenas fazer o possível. E o possível, por vezes, inclui remanejar planos (grandes e/ou pequenos). E pegar leve no quesito “se punir” pelo que realmente não foi viável fazer nesse tempo chamado ano, além de relembrar que os ciclos seguem.

Janeiro vai chegar, e até onde se sabe o mundo não acaba no 31 de dezembro. Você pode continuar depois da meia noite, seus planos podem seguir… os meus também. Porque esse encerramento de ciclo é uma organização social, que nomeamos ano, mas o tempo é algo mais amplo e conclusões de ciclos são mais subjetivas. Sacam?

Então, resumindo:

· a construção de planos/projetos pro ano é importante, e estabelecer metas pode ser algo bem útil; ao mesmo tempo, nem tudo vai sair do jeitinho projetado sempre.

· rever o que disso tudo “deu certo” ou “deu errado” no final desse tempo que chamamos de ano também é importante e pode ajudar a recalcular rotas; e lembra de fazer isso de um jeito acolhedor contigo mesmo.

· fazer em dezembro o que você não fez nos 11 meses anteriores não me parece a coisa mais funcional. Mas depende também, pode iniciar a dieta, ou a academia, ou a terapia agora, ao invés de deixar pra janeiro e acabar chegando a mais um dezembro sem ter feito. Pois é, mudei de ideia no meio do parágrafo! Hahaha… falei que não era funcional, mas dependendo do cenário pode até ser funcional fazer nos 45 do segundo tempo. Se a meta não for reformar a casa inteira em 15 dias no final de dezembro, se for uma ação factível, vai lá começar antes do dia 31 que tá valendo!

· E, CONTUDO, TODAVIA, ENTRETANTO a gente também precisa manter um olhar flexível diante da vida. E lembrar que ela não é uma escada, com degrau por degrau, paradinha ali, só esperando você subir. É mais complexo que isso e há metas que serão alcançadas, outras que não.

Então, é isso! Com toda dedicação, fiz o que deu pra esse período. E até que foi bem feito, pensando direitinho aqui… apesar de não ter alcançado todas as metas que eu gostaria. Então é natal, eu fiz o que deu. E eu já num guento mais essa música! Aff! HAHAHAHA…

Boas Festas! E seguimos!

Sara Adaís Muller – Psicóloga Clínica

Gostou do post? Compartilhe nas suas redes!

Posts relacionados

O importante é voltar.

O perfeccionismo nos impede de simplesmente continuar fazendo algo, ainda que esse feito não seja da maneira idealizada e esquecemos que, quando a gente se propõe a fazer algo novo, o que se espera é que sejamos um “bebê” nisso e o mais óbvio é que não saibamos como fazer com maestria. (Achei ótimo mudar a ideia de fracasso pra ideia de bebê, a propósito).

Leia Mais

A edição da vida

O que você prefere: perder seu emprego, o casamento ou a saúde? Note que, nas opções que dei, provavelmente (pelo menos eu imagino) você não encontraria uma alternativa que satisfizesse você totalmente, porque abrir mão de algo importante para nós não é algo desejado.

Leia Mais

E fora dos stories, tá como?

A comida é bonita.A paisagem é perfeita.Todo mundo se ama, se adora, se entende. Auto estima alta tem de sobra.E todos, obviamente, estão se divertindo.É janeiro, é verão por aqui.

Leia Mais

Duas notícias para esse ano

Não pretendo ser muito exaustivo por aqui! Estou cansado e de férias, e imagino que você queira ler algo breve e útil para esse tempo, então lá vai!

Tenho duas notícias para compartilhar contigo sobre o ano que virá: uma boa e uma ruim! Qual você quer receber primeiro?

Leia Mais

Hora do chá.

Crescer num lar aparentemente e socialmente perfeito, onde a formação é a mais tradicional possível (um homem, uma mulher, dois filhos — sendo estes um menino e uma menina), numa casa grande, onde não falta comida e te proporciona o melhor estudo, faz parecer que o problema está em outro lugar, sabe? Dificulta um pouco essa aceitação de que um ambiente assim pode gerar um grande chá de m*rda.

Leia Mais

Controle.

O controle se torna um problema. A forma como lidamos com o que acontece está ao nosso alcance, “controle”, decisão… Mas nós nunca conseguimos controlar tudo que acontece em nossa vida.

Leia Mais

Chuchu, Abobrinha e Política.

É difícil compreender os motivos de quem votou em quem considero inaceitável. Mas eles existem, os motivos existem. E eles são baseados em valores de vida, que podem ser completamente diferentes dos meus e ainda assim serem válidos. E em medos que podem ser completamente diferentes dos meus e de algum modo também válidos. Eu repito isso pra mim mesma, de um jeito indigesto, mas muito comprometida em enxergar além do discurso genérico.

Leia Mais

Todo mundo já foi criança e carrega ela dentro de si.

Fazer o exercício de olhar pra infância e resgatar algumas memórias afetivas podem nos ajudar a ressignificar um pouco do que já vivemos e trazer de volta essa energia para nossa vida. Como você brincava? Qual comida te deixava muito feliz? Que local ou passeio te empolgava? Esse pode ser um bom começo.

Leia Mais

Um dia.

Ver quem amamos em sofrimento, é talvez uma das experiências mais dolorosas do amadurecimento. A ideia de que teremos poder para resolver e proteger nossos queridos de qualquer coisa que aconteça dá lugar à consciência de que não poderemos impedir que essas pessoas sofram com a vida, na vida.

Leia Mais

Criança (não) tem querer!

Vou começar do começo: crianças são pessoas. Pode parecer estranhamente óbvio reafirmar, mas boa parte das vezes esquecemos das implicações disto. Elas são pessoas! Não pessoas adultas, com todos os

Leia Mais

Ainda bem que eu segui as batidas aceleradas do meu coração.

Aquilo que eu não queria aceitar estava cada vez mais materializado na minha frente, não me dando escolha de olhar para o lado. A sensação de que eu estava me encaminhando para buscar ajuda psiquiátrica era apavorante. Me descobri cheia de preconceitos, relutante para dar esse passo. O que isso diz de mim? Que falhei? Perdi? Estou traindo à minha psicóloga? Tive medo de falar com ela antes de contatar o psiquiatra. Será que não aguento mais um pouco assim? E viver “aguentando” já diz tanto.

Leia Mais

Sobre saber sentir

Pergunte aos homens que você conhece o que os deixa tristes, ansiosos, com medo, e observe suas respostas, sensações, expressões…

Leia Mais

“POR QUERER”

Consegue ouvir ao seu redor algo como “a fulana é muito cheia das vontades”, dito naquele tom de desaprovação?
Parece que querer e assumir o que se quer é quase… algo feio!

Leia Mais

SENSUAL: QUEM É VOCÊ?

Um passo muito importante foi entender que essa sensualidade estereotipada não ia fazer parte de mim nem que eu quisesse muito…

Leia Mais

O que é ser autêntico?

O que é autenticidade pra ti? Fiquei curiosa pra entender o que significa ser autêntico pra ti e se tu sente que é autêntico na tua vida.

Leia Mais

Eu não tenho estilo

A conversa de hoje é pra quem já ouviu ou já disse ou já pensou o seguinte: – “Eu não tenho estilo” Ok. Senta que lá vem a história: Era…

Leia Mais

TOP 03 posts 2021

Confira agora o TOP 03 posts de 2021 do blog. A escolha foi o número de visualizações até 31/12/21, só isso, não é critério de “melhor”…

Leia Mais

Tudo culpa do útero. Será?

Uma cirurgia feita há um ano pode ter ajudado a desencadear a dor na ATM que levei mais de 01 mês tratando? Sim. Mas como? Nem te conto…

Leia Mais

A AMIGA DOS CARAS

Carreguei esse título durante a minha adolescência com muito orgulho. Só faltava escrever na testa. Eu não era como as outras. Sentiu,né?Sentaquelávempedrada. Na infância, me recordo de brincar com todo

Leia Mais

Sobre passar vergonha

Vou narrar uma experiência do meu tempo de estágio. Era setembro de 2009, estava na finaleira da graduação em Psicologia. Cursando 6 disciplinas, fazendo um estágio de 20 horas semanais,

Leia Mais

SOMOS IN(CON)STANTES

Olá inconstância. É sempre mais fácil lidar com você quando não está por aqui. Será que em algum momento você não está por aqui? O engraçado (ou triste) é: só

Leia Mais

Quanto custa sua autenticidade?

Alerta de gatilho 1: esse texto pode fazer você parar tudo o que está fazendo agora e procurar a resposta a essa pergunta na sua própria vida. Alerta de gatilho

Leia Mais

Quanto pesa um NÃO?

Você tem facilidade pra dizer não? E quando diz, sente necessidade de dar mil satisfações? Negar um pedido (e impor limites) sempre foi uma questão para mim (nível de tratar

Leia Mais

A SURPRESA NÃO SE SUSTENTA

Você já viveu o suficiente para saber que a empolgação do ano novo acaba depois do brinde. Que o procedimento estético aquele que você tanto queria passa despercebido em poucos

Leia Mais

Maternidade real/oficial

A Day e eu nos conhecemos quando ela iniciou seu processo de Consultoria de Estilo e desde o início eu sabia que ia ser especial. Como eu sabia? Bem, pra

Leia Mais

“Você precisa ser mais feminina!”

Ouvi isso tantas vezes durante a infância e adolescência que cheguei até a acreditar. Sempre gostei de usar roupas mais largas (adorava roubar algumas do meu irmão), era zero vaidosa

Leia Mais

A Mulher do Futuro: ETARISMO

Medo de envelhecer… quem nunca? Numa sociedade que naturalmente privilegia a idade jovem, a beleza jovem, a força de trabalho jovem, tudo jovem… é comum que temamos o momento em

Leia Mais

A Mulher do Futuro: DIREITO

A mulher sempre foi atuante nas principais transformações da sociedade. Uma visita rápida aos livros de história – ou mesmo ao Dr. Google – são suficientes para confirmar isso. Fato

Leia Mais

Quem escreve por aqui

Não importa se somos fotógrafos, consultores de estilo, psicólogos ou donas/os de casa. No blog, frequentemente a gente escreve sobre o que está por trás desses (e outros!) rótulos, ou seja, a própria VIDA em curso. Navegue e encontre textos inspiradores sob diferentes pontos de vista!

Amanda Baronio
Dallen Fragoso
Sara Adais
Jonas Filho
Explore

Receba minha newsletter

São 02 por mês com insights e achados preciosos sobre estilo e autenticidade.
Vou amar me conectar contigo por lá!

Copyright © 2023 | Rua Gomes Jardim, 428 - Centro - Novo Hamburgo - RS | CNPJ: 40.622.935/0001-24