,

Hora do chá.

Estou sentada em frente ao computador, começando este texto faltando exatos 3 dias para entregá-lo, olhando para meu Kindle, tomada por uma vontade desgraçada de continuar lendo o livro que me trouxe a ideia do que eu escreveria aqui esse mês. Mas já fazem algumas horas em que estou batalhando entre dois pensamentos: só mais algumas páginas e preciso escrever meu texto antes que meu cérebro comece a achar que a ideia não faz tanto sentido assim.

O que me pegou tanto nesse livro é como a autora fala daquilo que vem a ser uma consequência dos trauminhas e traumões que a gente passa na vida. Tipo, aqueles comportamentos que nada mais são do que meios de sobrevivência que aprendemos depois de passar por alguma situação que nos deixou meio abublé das ideias — e muitas vezes nem percebemos — e ficou por isso. Não são os mais saudáveis e funcionais, mas foi o que deu pra fazer.

Ao relatar seu processo de passar por uma traição/encarar o fim do relacionamento, ela vai narrando um pouco dos seus pensamentos e percepções sobre sua imperfeição e fala de uma maneira debochada, com um certo carinho, algo como: Não me orgulho, mas aceito. Faz parte de mim.

Foi o suficiente pra eu sentir um misto de admiração, inveja e epifania, constatando o quanto sempre tentei “renegar” o meu funcionamento base, lutar contra aquilo que me fez chegar até aqui.

Funcionamento esse proveniente dos meus traumas de abandono e bom, sendo imperfeita fica mais fácil de as pessoas me abandonarem, então até que faz algum sentido essa tentativa constante de não ser essa pessoa que na verdade, eu sou.

É a primeira vez que trago a pauta “trauma de abandono” aqui, mas ela é constante nas minhas autoanálises, já que foi a grande revelação das minhas sessões de terapia. Talvez você se questione o que seria esse abandono. Se meus pais morreram, se meu pai saiu pra comprar cigarro e nunca mais voltou, se foi um dia que me perdi no mercado e traumatizei achando que nunca mais encontraria a minha família.

Também é possível pensar que pelo fato de eu estar usando a palavra trauma tenha sito algum acontecimento específico mas o fato é que o que gerou essa falha na minha funcionalidade e se tornou meu demônio de estimação foi uma série de fatores (que novidade). Foi a pura imperfeição do ser humano, tão cotidiana que, na melhor das intenções, não consegue ser o suficiente.

Crescer num lar aparentemente e socialmente perfeito, onde a formação é a mais tradicional possível (um homem, uma mulher, dois filhos — sendo estes um menino e uma menina), numa casa grande, onde não falta comida e te proporciona o melhor estudo, faz parecer que o problema está em outro lugar, sabe? Dificulta um pouco essa aceitação de que um ambiente assim pode gerar um grande chá de merda.

O que seria necessário para que eu crescesse saudável — pra além de arroz, feijão, saladinha e bife de fígado — era, um ambiente com acolhimento e com segurança, a emocional. Um ambiente onde não se presenciasse a constante ameaça de ser rejeitado, onde houvesse espaço para testar limites, para aprender a ser humano. E não onde fosse preciso jogar no modo adulto, só que sendo uma criança que ainda não sabe as regras do jogo.

Sutil, né? E um tanto difícil crescer e não pensar que qualquer não que você disser, qualquer patada fruto de uma tpm, vai resultar em um fim de amizade, em uma constatação de você é um grande game over como pessoa. É viver como se não houvesse volta. Como se não houvesse pedido de desculpa.

Levando isso em consideração, situações de muita interação social e principalmente com desconhecidos, são cansativas e grandes desafios, já que a percepção de que o controle é uma ilusão fica mais evidente e o meu piripaque por conta disso, mais palpável. Conflitos (ou a possibilidade de) também são de minha natureza evitar (e agora, com muita terapia nas veias, evito evitar). Um dia conversando com meu professor de jiu-jitsu, sem saber de 1/3 do caos que já se passou em minha mente, ele me disse: “a única coisa irremediável é a morte, o resto a gente volta atrás, pede desculpa, se dá um jeito. “

27 anos pra alguém me dizer a mais óbvia das obviedades. O óbvio realmente precisar ser dito.

Porque coloco nesse texto tanto as minhas vísceras? Porquê essa necessidade de expor minha vida e minhas sombras de uma maneira tão crua? Olha, de uma forma debochada e com certo carinho:

Pois assim quem sabe você vai gostar mais de mim e não me abandonará. Nem sempre me orgulho, mas aceito. Poder ter clareza sobre isso e transformar a minha busca por aprovação e afeto em algo que me traga uma satisfação pessoal, que supra a minha necessidade de expressão e que, graças ao autoconhecimento, não viole os meus limites como indivíduo me parece uma ótima elaboração do que a vida me deu. Muito melhor do que aceitar tudo de cabeça baixa por puro medo de não ter mais volta. Muito mais leve do que se levar tão a sério a ponto de achar que posso quase mudar o passado e me transformar em um outro alguém — isso seria por si só uma grande violência.

Não quero que soe como fácil, como uma chave que se vira. Se transformar e encontrar conforto em quem se é e no que se viveu é uma INconstante. Puro treino e tentativas. Por vezes ficamos satisfeitos, por vezes sabemos bem que ultrapassamos alguns limites próprios. Guarde o chicote, amanhã tentamos novamente e assim seguimos tomando chá com nossos demônios.

Gostou desse texto? Aqui nesse site tem muitos outros (mais precisamente, 19), além de textos da Dallen, Sara e Jonas, sendo esses dois últimos psicólogos, então, já peço de antemão desculpas caso eu tenha transgredido alguma norma da psicologia. Enfim, a minha galera da escrita é demais, então aproveita aí! 😁

Mande um alô no Instagram: @amandabaronio

Gostou do post? Compartilhe nas suas redes!

Posts relacionados

Controle.

O controle se torna um problema. A forma como lidamos com o que acontece está ao nosso alcance, “controle”, decisão… Mas nós nunca conseguimos controlar tudo que acontece em nossa vida.

Leia Mais

Chuchu, Abobrinha e Política.

É difícil compreender os motivos de quem votou em quem considero inaceitável. Mas eles existem, os motivos existem. E eles são baseados em valores de vida, que podem ser completamente diferentes dos meus e ainda assim serem válidos. E em medos que podem ser completamente diferentes dos meus e de algum modo também válidos. Eu repito isso pra mim mesma, de um jeito indigesto, mas muito comprometida em enxergar além do discurso genérico.

Leia Mais

Todo mundo já foi criança e carrega ela dentro de si.

Fazer o exercício de olhar pra infância e resgatar algumas memórias afetivas podem nos ajudar a ressignificar um pouco do que já vivemos e trazer de volta essa energia para nossa vida. Como você brincava? Qual comida te deixava muito feliz? Que local ou passeio te empolgava? Esse pode ser um bom começo.

Leia Mais

Um dia.

Ver quem amamos em sofrimento, é talvez uma das experiências mais dolorosas do amadurecimento. A ideia de que teremos poder para resolver e proteger nossos queridos de qualquer coisa que aconteça dá lugar à consciência de que não poderemos impedir que essas pessoas sofram com a vida, na vida.

Leia Mais

Criança (não) tem querer!

Vou começar do começo: crianças são pessoas. Pode parecer estranhamente óbvio reafirmar, mas boa parte das vezes esquecemos das implicações disto. Elas são pessoas! Não pessoas adultas, com todos os

Leia Mais

Ainda bem que eu segui as batidas aceleradas do meu coração.

Aquilo que eu não queria aceitar estava cada vez mais materializado na minha frente, não me dando escolha de olhar para o lado. A sensação de que eu estava me encaminhando para buscar ajuda psiquiátrica era apavorante. Me descobri cheia de preconceitos, relutante para dar esse passo. O que isso diz de mim? Que falhei? Perdi? Estou traindo à minha psicóloga? Tive medo de falar com ela antes de contatar o psiquiatra. Será que não aguento mais um pouco assim? E viver “aguentando” já diz tanto.

Leia Mais

Sobre saber sentir

Pergunte aos homens que você conhece o que os deixa tristes, ansiosos, com medo, e observe suas respostas, sensações, expressões…

Leia Mais

“POR QUERER”

Consegue ouvir ao seu redor algo como “a fulana é muito cheia das vontades”, dito naquele tom de desaprovação?
Parece que querer e assumir o que se quer é quase… algo feio!

Leia Mais

SENSUAL: QUEM É VOCÊ?

Um passo muito importante foi entender que essa sensualidade estereotipada não ia fazer parte de mim nem que eu quisesse muito…

Leia Mais

O que é ser autêntico?

O que é autenticidade pra ti? Fiquei curiosa pra entender o que significa ser autêntico pra ti e se tu sente que é autêntico na tua vida.

Leia Mais

TOP 03 posts 2021

Confira agora o TOP 03 posts de 2021 do blog. A escolha foi o número de visualizações até 31/12/21, só isso, não é critério de “melhor”…

Leia Mais

Tudo culpa do útero. Será?

Uma cirurgia feita há um ano pode ter ajudado a desencadear a dor na ATM que levei mais de 01 mês tratando? Sim. Mas como? Nem te conto…

Leia Mais

A AMIGA DOS CARAS

Carreguei esse título durante a minha adolescência com muito orgulho. Só faltava escrever na testa. Eu não era como as outras. Sentiu,né?Sentaquelávempedrada. Na infância, me recordo de brincar com todo

Leia Mais

Sobre passar vergonha

Vou narrar uma experiência do meu tempo de estágio. Era setembro de 2009, estava na finaleira da graduação em Psicologia. Cursando 6 disciplinas, fazendo um estágio de 20 horas semanais,

Leia Mais

SOMOS IN(CON)STANTES

Olá inconstância. É sempre mais fácil lidar com você quando não está por aqui. Será que em algum momento você não está por aqui? O engraçado (ou triste) é: só

Leia Mais

Quanto custa sua autenticidade?

Alerta de gatilho 1: esse texto pode fazer você parar tudo o que está fazendo agora e procurar a resposta a essa pergunta na sua própria vida. Alerta de gatilho

Leia Mais

Quanto pesa um NÃO?

Você tem facilidade pra dizer não? E quando diz, sente necessidade de dar mil satisfações? Negar um pedido (e impor limites) sempre foi uma questão para mim (nível de tratar

Leia Mais

A SURPRESA NÃO SE SUSTENTA

Você já viveu o suficiente para saber que a empolgação do ano novo acaba depois do brinde. Que o procedimento estético aquele que você tanto queria passa despercebido em poucos

Leia Mais

Maternidade real/oficial

A Day e eu nos conhecemos quando ela iniciou seu processo de Consultoria de Estilo e desde o início eu sabia que ia ser especial. Como eu sabia? Bem, pra

Leia Mais

“Você precisa ser mais feminina!”

Ouvi isso tantas vezes durante a infância e adolescência que cheguei até a acreditar. Sempre gostei de usar roupas mais largas (adorava roubar algumas do meu irmão), era zero vaidosa

Leia Mais

A Mulher do Futuro: ETARISMO

Medo de envelhecer… quem nunca? Numa sociedade que naturalmente privilegia a idade jovem, a beleza jovem, a força de trabalho jovem, tudo jovem… é comum que temamos o momento em

Leia Mais

A Mulher do Futuro: DIREITO

A mulher sempre foi atuante nas principais transformações da sociedade. Uma visita rápida aos livros de história – ou mesmo ao Dr. Google – são suficientes para confirmar isso. Fato

Leia Mais

Você não é seu trabalho

Seu trabalho é só um pedaço de quem você é. A gente é tão mais do que aquilo que a gente faz pra pagar as contas, mesmo que isso nos

Leia Mais

Quem escreve por aqui

Não importa se somos fotógrafos, consultores de estilo, psicólogos ou donas/os de casa. No blog, frequentemente a gente escreve sobre o que está por trás desses (e outros!) rótulos, ou seja, a própria VIDA em curso. Navegue e encontre textos inspiradores sob diferentes pontos de vista!

Amanda Baronio
Dallen Fragoso
Sara Adais
Jonas Filho
Explore

Receba minha newsletter

São 02 por mês com insights e achados preciosos sobre estilo e autenticidade.
Vou amar me conectar contigo por lá!

Copyright © 2022 | Rua Gomes Jardim, 428 - Centro - Novo Hamburgo - RS | CNPJ: 40.622.935/0001-24