Seu corpo serve pra quê?

Já se pesou hoje? Já se olhou no espelho, sem roupa, virou de costas, olhando por cima do ombro, com aquela visão crítica de si mesma, buscando cada “defeito”? Já tomou seu café da manhã (ou nem tomou), com culpa e com medo do pão e das tentações que você deveria desviar ao longo do dia pra que não engordasse?

Arrisco dizer que assim inicia o dia a dia de muitas mulheres. Eu disse inicia, não para por aí. Falo isso de um lugar de alguém que deu start num processo de emagrecimento por ser ver em uma foto e tomar um susto. Até aquele momento, tenho a impressão de que eu nunca havia cogitado que meu corpo poderia ser um problema.

Já havia tido problemas com a minha imagem, sim, se rolar este blog verá os meus textos sobre autoestima da infância e adolescência, histórias envolvendo nariz e tudo mais, mas o corpo em si, nunca foi uma questão. Meio que eu existia sem esse peso, e nesse caso, falo do peso mental, da auto cobrança, que algum tempo depois fui entender que pode ser bem mais pesado do que o físico em si.

Comecei sem nenhum tipo de orientação. O famoso: por minha conta e risco. Fazendo exercícios em casa e cometendo o horrível ato de COMER POUCO e CORTAR CARBOIDRATOS. E eu sempre adorei comer. Muito e carboidratos.

Não demorou pra começarem os episódios de compulsão alimentar. Nunca vou esquecer do dia em que minha mãe preparou um doce maravilhoso que chamei de cuca 2.0.

Era tipo um bolo cuca, mas mais parecido com uma torta redonda, com a base de massa, o recheio de creme e o topo com aquele açúcar que tem na cuca. Perfeição da natureza.

Eu comi um pedaço, já com culpa. E queria muito comer mais. E comecei numa batalha interna. E comi mais um pedaço, e mais um, e mais um, até ficar com dor de barriga. E mais culpa.

Nesse caminho meio torto, eu emagreci 10kg. Que não me deixavam satisfeita com meu corpo, oscilavam com muita facilidade, me geravam uma ansiedade absurda todos os dias pelo medo de regredir e no fim, em poucos meses acabei engordando quase todos eles novamente.

Entendi que aquilo não funcionaria, então decidi ir pra musculação (ao lado de casa tinha uma academia) e buscar uma nutricionista. Ali eu tive uma virada de chave, com orientação profissional de fato, comecei a fazer algo que era SUSTENTÁVEL. Na nutricionista, descobri que comia muito menos do que meu corpo precisava, sendo assim, ele estocava a gordura. Lembro que pensei: não é possível emagrecer comendo tanto. Mas paguei pra ver. A musculação, algo que divide opiniões, já que muitas vezes o ambiente da academia pode ser desagradável e há quem não goste de “levantar peso”, se tornou algo que fazia bem para o meu mental e eu me sentia FORTE.

Um processo que antes era totalmente voltado para um número e para a estética, passou a ter espaço pra outro motivador: o bem estar, o sentir. As cobranças com o corpo continuaram por bastante tempo, anos. Assim como a pressa. Tive objetivos de percentual de gordura baixíssimos que atingi a muito custo e disciplina e a reflexão que tive foi: “então é isso?”

Minha barriga continuava lá me incomodando, a vida cotidiana, o trabalho, os problemas, também. Eu já estava num ponto em que precisava comer quantidades desconfortáveis de comida, pra assim, aumentar massa muscular, e aquilo passou a parecer mais com um fardo e perdeu o sentido.

Senti que já tinha autonomia pra comer intuitivamente, então eu ia seguir de maneira saudável, treinando e sem um objetivo específico relacionado à estética do meu corpo. Também me muni de boas referências, acompanhando nas redes sociais profissionais e pessoas que se comprometiam em mostrar uma rotina saudável e sem terrorismo nutricional.

Já fazem quase 9 anos desde o início dessa história e há 2, através do esporte puder ter o contato mais profundo com essa outra percepção sobre o corpo. A de que ele pode servir pra nos levar a lugares inimagináveis, de que o nosso valor não deve, de maneira alguma, ser associado à nossa aparência, pois nosso corpo pode ser ferramenta pra potencializarmos nossa vida, nossa autoestima como seres capazes!

De irmos gradativamente superando nossos próprios limites, nos tornando mais fortes, mais resilientes. Como uma consequência, temos sim um corpo que agrada esteticamente, só que isso já não importa mais como antes.

Acredito que minha paz em relação à minha aparência não está associada à minha imagem corporal em si, afinal, uma pessoa que depende da aprovação externa de um padrão, nunca estará satisfeita, mas está sim, ligada ao fato de eu me desconstruir ativamente e escolher não dar importância para a minha barriga que tem um pouco de gordura, por exemplo, mas que se lasque. Minha mente vai pra outro lugar: “Olha tudo isso que eu estou conquistando graças ao meu corpo? Olha como é maravilhoso SE SENTIR ASSIM, bem com quem a gente é, com o que a gente faz e pode fazer.”

Tudo foi questão de tempo e de direcionar a energia pra aqueles pensamentos e objetivos que ao invés de me aprisionar, me potencializavam ainda mais. As cobranças estão aí, elas existem: pra perna que não está depilada, pra manicure que não está em dia, pra idade que chega e nos aproxima de um lugar de invisibilidade (outro assunto esse, né?). A questão é, seu corpo serve pra quê? Pra quem? Toda mulher merece ter paz e espaço mental pra se dedicar ao que realmente importa pra ela, não ser refém de padrões inatingíveis ou de expectativas alheias. Lutar pela mudança dos padrões é importante, mas é cansativo, então o melhor caminho ao meu ver, é fazer pela gente e mudar internamente primeiro.

Espero que este texto traga um pouco de leveza por aí. Menos culpa, por favor. ♥

Meu Instagram: @amandabaronio

Gostou do post? Compartilhe nas suas redes!

Posts relacionados

Eu quis voltar pra um lugar “seguro”, mas eu já não cabia mais ali.

Imagina você ter que anotar absolutamente todas as coisas que você quer muito adquirir, porquê vai que você se desvia e se esquece de que quer aquilo. E aí as vezes você já é outra pessoa, já nem quer mais, mas fica preso àquele objetivo traçado inicialmente, não se permitindo desapegar e dar espaço para os desejos e interesses fluírem naturalmente.

Leia Mais

Carta pra mim, criança.

Você passou por muita coisa e descobriu muito sobre si para poder, com os limões que a vida te deu, fazer uma limonada. Consigo cavoucar e notar os traços de personalidade que ainda vivem por aqui, como a curiosidade, a tagarelice, a energia. Também aquilo que nos coloca em algumas roubadas, como o medo de desagradar e a autocobrança pra não errar nunca. Spoiler: muito sofreremos até descobrir que é impossível.

Leia Mais

A vida vai te encurralar.

Todos os caminhos levam a Roma. Volto sempre pra esse ponto de me questionar: “Por que isso está acontecendo? Como eu poderia ter evitado isso?” Ah claro, eu deveria ter falado sobre como me sentia ou ter deixado mais claro o que era importante para mim. Me deparo com aquela sensação entalada daquilo que não foi dito ou foi maquiado. Com um sentimento de estar a deriva, constantemente refém das escolhas e atitudes alheias.

Leia Mais

Tá tudo estranho hoje.

Acho que é culpa do piloto automático, do fantasma da correria que não deixa a gente viver a vida com presença, nos faz baixar a guarda. Parece que a gente anda pra trás. Hoje senti orgulho de mim por comunicar à recepcionista da clínica veterinária que o filtro de água precisava ser limpo. Na minha mente, dizer isso deixaria eles envergonhados por terem deixado o filtro sujo e me faz sentir mal de dizer, mas eu sei que isso é um pensamento, e não a realidade, e ainda que fosse, o filtro está sujo, precisa ser limpo e avisar era algo bom a ser feito.

Leia Mais

Não existe hack de produtividade que dê conta de uma sobrecarga.

Eu estava esquecendo de um detalhe quase nada importante. A quantidade de demandas que eu estava abraçando. E que eu sou um ser humano, não um robô. 😅 Eu estava comparando momentos de vida completamente diferentes, e esperando a produtividade que eu tinha quando eu tinha apenas 1/4 da quantidade de responsabilidades que tenho hoje. Eu quero entregar minhas fotos em 1 semana, mas eu fazia isso quando eu tinha 1 trabalho a cada duas, hoje, eu fotografo diversas vezes semanalmente. Óbvio que essa conta não fecha.

Leia Mais

Ninguém senta em duas cadeiras.

A gente vive numa constante busca de equilibrar os pratos da vida né? E a gente costuma pensar que equilíbrio é conseguir segurar vários pratinhos de uma vez. Ou sentar em duas cadeiras ao mesmo tempo. Mas olha, com base em minha vivência das últimas semanas eu te digo, o maior desafio não é equilibrar, esse é o nosso maior sonho, essa seria a escolha fácil, a de conseguir abraçar o mundo. O difícil está em de fato fazer uma escolha, em priorizar. E abdicar do outro lado. Deixar uns pratos caírem e aceitar as consequências disso.

Leia Mais

ALGUÉM INTERDITA O ZAPZAP!

O triunfo do ZAP é uma realidade, então, temos que nos adaptar a ela. Isso é fato. Mas é justamente pra essa adaptação que coloco o meu holofote. Mil manobras e estratégias pra conviver com ele de uma forma minimamente saudável, mas a que custo? Estamos drenando a nossa saúde mental pra conseguir ter mais saúde mental.

Leia Mais

Um paralelo entre sua casa e aceitação.

Acho curioso como eles confiam em mim pra levá-los em um lugar sem referência alguma, um terreno baldio ou mato-sem-cachorro e sabem que farei fotos legais, ou ainda que não saibam, esperam o melhor de mim, mas se tratando do seu lar, não há a menor chance de milagre de minha parte.

Leia Mais

O importante é voltar.

O perfeccionismo nos impede de simplesmente continuar fazendo algo, ainda que esse feito não seja da maneira idealizada e esquecemos que, quando a gente se propõe a fazer algo novo, o que se espera é que sejamos um “bebê” nisso e o mais óbvio é que não saibamos como fazer com maestria. (Achei ótimo mudar a ideia de fracasso pra ideia de bebê, a propósito).

Leia Mais

Uma viagem no tempo.

Esse texto é um pouco diferente dos outros, ele é como uma viagem no tempo, mais contemplativo e não tem tantos questionamentos e reflexões. Nele descrevo o nosso encontro através do meu olhar, não só o fotográfico, mas o meu olhar para a vida. Espero com minha escrita te fazer sentir o poder do toque, do som das vozes e gargalhadas, do sabor e da expressão facial que vem após aquela mordida numa pizza da Família Olivella.

Leia Mais

Hora do chá.

Crescer num lar aparentemente e socialmente perfeito, onde a formação é a mais tradicional possível (um homem, uma mulher, dois filhos — sendo estes um menino e uma menina), numa casa grande, onde não falta comida e te proporciona o melhor estudo, faz parecer que o problema está em outro lugar, sabe? Dificulta um pouco essa aceitação de que um ambiente assim pode gerar um grande chá de m*rda.

Leia Mais

Todo mundo já foi criança e carrega ela dentro de si.

Fazer o exercício de olhar pra infância e resgatar algumas memórias afetivas podem nos ajudar a ressignificar um pouco do que já vivemos e trazer de volta essa energia para nossa vida. Como você brincava? Qual comida te deixava muito feliz? Que local ou passeio te empolgava? Esse pode ser um bom começo.

Leia Mais

Ainda bem que eu segui as batidas aceleradas do meu coração.

Aquilo que eu não queria aceitar estava cada vez mais materializado na minha frente, não me dando escolha de olhar para o lado. A sensação de que eu estava me encaminhando para buscar ajuda psiquiátrica era apavorante. Me descobri cheia de preconceitos, relutante para dar esse passo. O que isso diz de mim? Que falhei? Perdi? Estou traindo à minha psicóloga? Tive medo de falar com ela antes de contatar o psiquiatra. Será que não aguento mais um pouco assim? E viver “aguentando” já diz tanto.

Leia Mais

SENSUAL: QUEM É VOCÊ?

Um passo muito importante foi entender que essa sensualidade estereotipada não ia fazer parte de mim nem que eu quisesse muito…

Leia Mais

O que é ser autêntico?

O que é autenticidade pra ti? Fiquei curiosa pra entender o que significa ser autêntico pra ti e se tu sente que é autêntico na tua vida.

Leia Mais

A AMIGA DOS CARAS

Carreguei esse título durante a minha adolescência com muito orgulho. Só faltava escrever na testa. Eu não era como as outras. Sentiu,né?Sentaquelávempedrada. Na infância, me recordo de brincar com todo

Leia Mais

SOMOS IN(CON)STANTES

Olá inconstância. É sempre mais fácil lidar com você quando não está por aqui. Será que em algum momento você não está por aqui? O engraçado (ou triste) é: só

Leia Mais

Quanto pesa um NÃO?

Você tem facilidade pra dizer não? E quando diz, sente necessidade de dar mil satisfações? Negar um pedido (e impor limites) sempre foi uma questão para mim (nível de tratar

Leia Mais

Você não é seu trabalho

Seu trabalho é só um pedaço de quem você é. A gente é tão mais do que aquilo que a gente faz pra pagar as contas, mesmo que isso nos

Leia Mais

Quem escreve por aqui

Não importa se somos fotógrafos, consultores de estilo, psicólogos ou donas/os de casa. No blog, frequentemente a gente escreve sobre o que está por trás desses (e outros!) rótulos, ou seja, a própria VIDA em curso. Navegue e encontre textos inspiradores sob diferentes pontos de vista!

Amanda Baronio
Dallen Fragoso
Sara Adais
Jonas Filho
Explore

Receba minha newsletter

São 02 por mês com insights e achados preciosos sobre estilo e autenticidade.
Vou amar me conectar contigo por lá!

Copyright © 2024 | Rua Gomes Jardim, 428 - Centro - Novo Hamburgo - RS | CNPJ: 40.622.935/0001-24