Um paralelo entre sua casa e aceitação.

Me encontro nesse momento, na data que deveria ser feita a entrega do texto (não posso nem dizer que estou aos 45 do segundo tempo, pois aos 45 do segundo tempo foi quando surgiu a ideia do que eu escreveria), botando meus dedinhos para trabalhar e jogar mais um pouco do que se passa na minha cabecinha pra esse mundão.

A ideia nasceu de uma legenda. Comecei a refletir sobre o que ouço dos meus clientes quando proponho realizarmos a sessão de fotos em suas casas.

“Minha casa não dá, não tem lugar bonito lá”, “minha casa não tem nada de mais”, “ahh não, minha casa é uma bagunça”.

Acho curioso como eles confiam em mim pra levá-los a um lugar sem referência alguma, um terreno baldio ou mato-sem-cachorro e sabem que farei fotos legais, ou ainda que não saibam, esperam o melhor de mim, mas em se tratando do seu lar, não há a menor chance de um milagre de minha parte.

O que meu cliente acha que vou enxergar na casa dele. 😅

Ao pensar em uma legenda pra falar sobre isso e rebater esses argumentos, fiz uma conexão com um assunto que vocês já conhecem por outras vias: o fato de que nunca estamos satisfeitos com aquilo que já temos. Nosso corpo nunca está bom o bastante, nosso trabalho, nossos ganhos, nossos dentes nunca são brancos e retos o suficiente, logo, por que nossa casa estaria à altura dessas cobranças absurdas?

Queremos que nossa casa seja instagramável, mas arrisco dizer que se ela fosse, ainda assim não enxergaríamos. Estaria sempre faltando algum item decorativo que custa 10 mil reais na Tok&Stok.

A aceitação, a paz em relação à nossa imagem ou à nossa vida num geral não é algo que brota do nada. É um exercício. É ter consciência dessa cobrança infinita e nadar contra a maré, buscar rever nossa régua de comparação e treinar o olhar gentil pra tudo o que já temos e construímos. E isso não tem nada a ver com não almejar melhoras e toda essa baboseira que coaches fajutos diriam que está implícito no meu discurso, afinal, segundo eles você precisa querer mais e mais. Para mim, isso só nos leva a mais insatisfação e 5 burnouts under 30.

Uma forma que encontrei de exercitar meu olhar carinhoso pra vida foi criando o projeto “Eu vejo beleza aqui”, onde fotografo pedacinhos do cotidiano que muitas vezes se tornam rotina ou sequer são considerados bonitos.

Numa sessão de fotos, a casa nos proporcionará um ambiente confortável, será cenário também, mas ao pensar em uma foto, quero contar uma história, quero te retratar e quero que você se enxergue ali.

Claro que a estética é importante, todo mundo quer uma foto bonita também, mas isso considero que virá de uma junção de coisas: luz, enquadramento, direção, cores, nossa conexão e também o que essa foto te fará sentir.

Creio eu que assim como nosso estilo/visual, a nossa casa pode entrar pra esse processo de autoconhecimento também, pra ser um local não só esteticamente agradável (e o que falo aqui, é aquela beleza óbvia ou financeiramente distante de casas de revista ou pinterest), mas que essa beleza seja nossa, reflita quem somos, que a gente cuide do nosso lar, mantenha-o organizado, confortável pra que possamos sempre voltar pra ele, que possamos tomar um café com calma e tranquilidade e que ele seja funcional, que nos sirva de lugar seguro, onde construímos momentos felizes.

Sua casa não precisa parecer de Pinterest. Sua casa precisa ser viva e te servir, ser teu canto no mundo.

Alguns profissionais prezam pela perfeição em suas imagens, eu prezo pela autenticidade. Quanto mais única aquela imagem for, e por única eu quero dizer: quanto mais da pessoa retratada ali ela mostrar, mais interessante ela será. Isso se aplica para sua morada e significa, por veze,s mostrar uma baguncinha. Pra isso você precisa se desprender dessas imposições e olhar com carinho pra si mesmo e pra sua casinha. Assim, você poderá ver beleza aqui também.

Esse texto brilhou pra ti? Vamos conversar mais sobre! estou te esperando lá no Instagram: @amandabaronio.

Gostou do post? Compartilhe nas suas redes!

Posts relacionados

Seu corpo serve pra quê?

Tudo foi questão de tempo e de direcionar a energia pra aqueles pensamentos e objetivos que ao invés de me aprisionar, me potencializavam ainda mais. As cobranças estão aí, elas existem: pra perna que não está depilada, pra manicure que não está em dia, pra idade que chega e nos aproxima de um lugar de invisibilidade (outro assunto esse, né?). A questão é, seu corpo serve pra quê? Pra quem?

Leia Mais

Eu quis voltar pra um lugar “seguro”, mas eu já não cabia mais ali.

Imagina você ter que anotar absolutamente todas as coisas que você quer muito adquirir, porquê vai que você se desvia e se esquece de que quer aquilo. E aí as vezes você já é outra pessoa, já nem quer mais, mas fica preso àquele objetivo traçado inicialmente, não se permitindo desapegar e dar espaço para os desejos e interesses fluírem naturalmente.

Leia Mais

Carta pra mim, criança.

Você passou por muita coisa e descobriu muito sobre si para poder, com os limões que a vida te deu, fazer uma limonada. Consigo cavoucar e notar os traços de personalidade que ainda vivem por aqui, como a curiosidade, a tagarelice, a energia. Também aquilo que nos coloca em algumas roubadas, como o medo de desagradar e a autocobrança pra não errar nunca. Spoiler: muito sofreremos até descobrir que é impossível.

Leia Mais

A vida vai te encurralar.

Todos os caminhos levam a Roma. Volto sempre pra esse ponto de me questionar: “Por que isso está acontecendo? Como eu poderia ter evitado isso?” Ah claro, eu deveria ter falado sobre como me sentia ou ter deixado mais claro o que era importante para mim. Me deparo com aquela sensação entalada daquilo que não foi dito ou foi maquiado. Com um sentimento de estar a deriva, constantemente refém das escolhas e atitudes alheias.

Leia Mais

Tá tudo estranho hoje.

Acho que é culpa do piloto automático, do fantasma da correria que não deixa a gente viver a vida com presença, nos faz baixar a guarda. Parece que a gente anda pra trás. Hoje senti orgulho de mim por comunicar à recepcionista da clínica veterinária que o filtro de água precisava ser limpo. Na minha mente, dizer isso deixaria eles envergonhados por terem deixado o filtro sujo e me faz sentir mal de dizer, mas eu sei que isso é um pensamento, e não a realidade, e ainda que fosse, o filtro está sujo, precisa ser limpo e avisar era algo bom a ser feito.

Leia Mais

Não existe hack de produtividade que dê conta de uma sobrecarga.

Eu estava esquecendo de um detalhe quase nada importante. A quantidade de demandas que eu estava abraçando. E que eu sou um ser humano, não um robô. 😅 Eu estava comparando momentos de vida completamente diferentes, e esperando a produtividade que eu tinha quando eu tinha apenas 1/4 da quantidade de responsabilidades que tenho hoje. Eu quero entregar minhas fotos em 1 semana, mas eu fazia isso quando eu tinha 1 trabalho a cada duas, hoje, eu fotografo diversas vezes semanalmente. Óbvio que essa conta não fecha.

Leia Mais

Ninguém senta em duas cadeiras.

A gente vive numa constante busca de equilibrar os pratos da vida né? E a gente costuma pensar que equilíbrio é conseguir segurar vários pratinhos de uma vez. Ou sentar em duas cadeiras ao mesmo tempo. Mas olha, com base em minha vivência das últimas semanas eu te digo, o maior desafio não é equilibrar, esse é o nosso maior sonho, essa seria a escolha fácil, a de conseguir abraçar o mundo. O difícil está em de fato fazer uma escolha, em priorizar. E abdicar do outro lado. Deixar uns pratos caírem e aceitar as consequências disso.

Leia Mais

ALGUÉM INTERDITA O ZAPZAP!

O triunfo do ZAP é uma realidade, então, temos que nos adaptar a ela. Isso é fato. Mas é justamente pra essa adaptação que coloco o meu holofote. Mil manobras e estratégias pra conviver com ele de uma forma minimamente saudável, mas a que custo? Estamos drenando a nossa saúde mental pra conseguir ter mais saúde mental.

Leia Mais

O importante é voltar.

O perfeccionismo nos impede de simplesmente continuar fazendo algo, ainda que esse feito não seja da maneira idealizada e esquecemos que, quando a gente se propõe a fazer algo novo, o que se espera é que sejamos um “bebê” nisso e o mais óbvio é que não saibamos como fazer com maestria. (Achei ótimo mudar a ideia de fracasso pra ideia de bebê, a propósito).

Leia Mais

Uma viagem no tempo.

Esse texto é um pouco diferente dos outros, ele é como uma viagem no tempo, mais contemplativo e não tem tantos questionamentos e reflexões. Nele descrevo o nosso encontro através do meu olhar, não só o fotográfico, mas o meu olhar para a vida. Espero com minha escrita te fazer sentir o poder do toque, do som das vozes e gargalhadas, do sabor e da expressão facial que vem após aquela mordida numa pizza da Família Olivella.

Leia Mais

Hora do chá.

Crescer num lar aparentemente e socialmente perfeito, onde a formação é a mais tradicional possível (um homem, uma mulher, dois filhos — sendo estes um menino e uma menina), numa casa grande, onde não falta comida e te proporciona o melhor estudo, faz parecer que o problema está em outro lugar, sabe? Dificulta um pouco essa aceitação de que um ambiente assim pode gerar um grande chá de m*rda.

Leia Mais

Todo mundo já foi criança e carrega ela dentro de si.

Fazer o exercício de olhar pra infância e resgatar algumas memórias afetivas podem nos ajudar a ressignificar um pouco do que já vivemos e trazer de volta essa energia para nossa vida. Como você brincava? Qual comida te deixava muito feliz? Que local ou passeio te empolgava? Esse pode ser um bom começo.

Leia Mais

Ainda bem que eu segui as batidas aceleradas do meu coração.

Aquilo que eu não queria aceitar estava cada vez mais materializado na minha frente, não me dando escolha de olhar para o lado. A sensação de que eu estava me encaminhando para buscar ajuda psiquiátrica era apavorante. Me descobri cheia de preconceitos, relutante para dar esse passo. O que isso diz de mim? Que falhei? Perdi? Estou traindo à minha psicóloga? Tive medo de falar com ela antes de contatar o psiquiatra. Será que não aguento mais um pouco assim? E viver “aguentando” já diz tanto.

Leia Mais

SENSUAL: QUEM É VOCÊ?

Um passo muito importante foi entender que essa sensualidade estereotipada não ia fazer parte de mim nem que eu quisesse muito…

Leia Mais

O que é ser autêntico?

O que é autenticidade pra ti? Fiquei curiosa pra entender o que significa ser autêntico pra ti e se tu sente que é autêntico na tua vida.

Leia Mais

A AMIGA DOS CARAS

Carreguei esse título durante a minha adolescência com muito orgulho. Só faltava escrever na testa. Eu não era como as outras. Sentiu,né?Sentaquelávempedrada. Na infância, me recordo de brincar com todo

Leia Mais

SOMOS IN(CON)STANTES

Olá inconstância. É sempre mais fácil lidar com você quando não está por aqui. Será que em algum momento você não está por aqui? O engraçado (ou triste) é: só

Leia Mais

Quanto pesa um NÃO?

Você tem facilidade pra dizer não? E quando diz, sente necessidade de dar mil satisfações? Negar um pedido (e impor limites) sempre foi uma questão para mim (nível de tratar

Leia Mais

Você não é seu trabalho

Seu trabalho é só um pedaço de quem você é. A gente é tão mais do que aquilo que a gente faz pra pagar as contas, mesmo que isso nos

Leia Mais

Quem escreve por aqui

Não importa se somos fotógrafos, consultores de estilo, psicólogos ou donas/os de casa. No blog, frequentemente a gente escreve sobre o que está por trás desses (e outros!) rótulos, ou seja, a própria VIDA em curso. Navegue e encontre textos inspiradores sob diferentes pontos de vista!

Amanda Baronio
Dallen Fragoso
Sara Adais
Jonas Filho
Explore

Receba minha newsletter

São 02 por mês com insights e achados preciosos sobre estilo e autenticidade.
Vou amar me conectar contigo por lá!

Copyright © 2024 | Rua Gomes Jardim, 428 - Centro - Novo Hamburgo - RS | CNPJ: 40.622.935/0001-24